O Drone militar, os mísseis teleguiados e o anel. Os detalhes da operação que matou Soleimani numa madrugada

MQ 9 Reaper com armamento foto USAF

O Comando de Forças Especiais norte-americano utilizou drone MQ-9 Reaper para matar Soleimani. Corpo foi identificado graças a um anel. Outro ataque tinha falhado na quinta-feira.

Quando aterrou no Aeroporto Internacional de Bagdad, no Iraque, o general iraniano Qassam Soleimani, acabado de chegar do Líbano ou da Síria, juntou-se ao comandante Abu Mahdi al-Muhandis numa escolta. Os dois estavam a ser levados para uma reunião com os líderes das milícias iraquianas quando um drone militar MQ-9 Reaper disparou “vários mísseis” teleguiados sobre o carro em que seguiam. Os dois morreram no início da madrugada desta sexta-feira (hora de Lisboa).

Uma fonte militar iraquiana disse à Associated Press que, quando os soldados das Forças de Mobilização Popular se aproximaram do local do ataque, numa estrada de acesso ao aeroporto, o cadáver de Qassam Soleimani estava desfeito. O corpo do general iraniano, o mais poderoso do país e um herói nacional, só foi identificado por causa do anel que costumava usar. Já os restos mortais de al-Muhandis ainda não foram identificados.

Na televisão governamental, ao anunciar a morte do general, o pivô recitou uma oração islâmica — “De Deus viemos e para Deus regressamos” — com uma fotografia de Soleimani atrás dele.

A autoria tinha sido do Comando de Operações Especiais Conjuntas, uma unidade de operações especiais das forças armadas norte-americanas. Um oficial envolvido na preparação do ataque explicou ao The New York Times que a equipa já estava a postos desde quinta-feira. Sabiam onde estava Soleimani graças a pistas confidenciais disponibilizadas por informadores, aeronaves de reconhecimento, satélites de espionagem e intercepções eletrónicas. Só faltava colocar o plano em prática.

Na quinta-feira à noite, três mísseis foram disparados junto ao aeroporto sem provocar feridos. Nesta sexta-feira, poucas horas depois do primeiro ataque, a força de elite foi mais certeira.

Primeiro, os militares norte-americanos deixaram dois carros aproximarem-se do avião em que Soleimani seguia, que entrou num deles enquanto o outro estava ocupado por Abu Mahdi al-Muhandis. Depois, deram tempo para a escolta começar a sair do aeroporto de Bagdad. Só aí é que lançaram “múltiplos mísseis”. Pouco depois, Donald Trump publicava a imagem da bandeira norte-americana no Twitter. E Mark Esper, secretário de Estado da Defesa, reivindicava a autoria do ataque.

O ataque de 3 de janeiro foi o culminar de sete dias de particular tensão na relação entre os Estados Unidos e o Irão — uma tensão que, na verdade, já remonta a maio de 2018 quando Trump saiu do acordo nuclear com o Irão. A 27 de dezembro, precisamente há uma semana, um americano morreu e seis pessoas ficaram feridas — quatro americanos e dois iraquianos — quando 30 mísseis atingiram uma base militar em Kirkuk. Dois dias depois, 24 membros de uma milícia iraniana morreram no Iraque e na Síria por causa de uma série de ataques aéreos norte-americanos.

Em resposta, a 31 de dezembro, uma milícia pró-iraniana atravessou a ponte sobre o rio Tigre, entrou na Zona Verde de Bagdad, seguiu pela Rua Al Kindi e, depois de incendiar a recepção e o posto dos seguranças, entrou na embaixada norte-americana no Iraque e fez reféns os representantes dos Estados Unidos no local. Foi em resposta a esse ataque, que durou 24 horas, que Donald Trump ordenou ao Comando de Operações Especiais Conjuntas para abater Qassam Soleimani.

Essa é a justificação da Defesa norte-americana, que em conferência de imprensa confirmou: “O general Soleimani estava ativamente a desenvolver planos para atacar diplomatas americanos no Iraque e na região. Ele e a Al-Quds foram responsáveis pela morte de centenas de americanos e elementos da coligação e pelo ferimento de outros milhares. Orquestrou ataques a bases da coligação no Iraque nos últimos 7 meses, incluindo o ataque de 27 de dezembro, que culminou com a morte e ferimentos de mais pessoal americano e iraquiano. Também aprovou os ataques desta semana à embaixada americana em Bagdad. O ataque teve como objetivo travar novos planos de ataque iranianos”.

Fonte: Observador

Recommended For You

About the Author: Redacção

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close